27 janeiro 2006

Todd McFarlane quer fazer de Spawn 2 um filme de bicho-papão

Cansado de rodar atrás de estúdios interessados em levar Spawn 2 para as telonas, Todd McFarlane, o criador do personagem, já decidiu há meses que fará tudo ao seu jeito. Bancará o filme do bolso, produzirá, dirigirá - e promete uma obra muito diferente do primeiro filme, sem conceções comerciais, espalhafato ou efeitos. Agora ele comenta mais sobre o projeto.

"Estou atualmente escrevendo o roteiro, e uma vez que termine e reescreva umas três ou quatro vezes, daí posso chegar a um ponto que me interessa. Se alguém me desse 65 milhões de dólares, eu entraria com uma mentalidade diferente. Mas eu não vou poder pagar, então preciso baixar a bola, fazer um filme sem muito CGI, o que significa que será mais um filme de personagem. Explico isso às pessoas há anos. É como em Tubarão: apesar do filme se chamar Tubarão e tratar do peixe, ele não é o protagonista do filme. Os personagens principais são as pessoas que estão caçando o tubarão. Essa vai ser a linha mestra, porque não tenho dinheiro para torrar com efeitos tipo Homem-Aranha ou X-Men", disse ao site IESB.

McFarlane prossegue: "Vai ter censura de dezessete anos, bem soturno, bem urbano; a única coisa que vai sair um pouco da normalidade será este ser chamado Spawn. Não haverá super-vilão, nem bazucas, armas de raio - apenas um elemento estranho que as pessoas sequer acreditam que realmente exista. É mais ou menos uma história de bicho-papão, o que é totalmente diferente do primeiro filme". Neste cenário, é difícil que o ator Michael Jai White retorne ao papel principal. "Você nunca vai chegar a ver o Spawn no filme. Mesmo se eu colocasse Michael você não o veria, e eu não preciso de um ator para fazer a voz do Spawn porque ele também nunca vai abrir a boca", completa.

Originalmente, Spawn conta a história de um soldado do exército estadunidense brutalmente assassinado de maneira traiçoeira. Renascido como uma criatura infernal, ele passa a lutar uma batalha constante contra as forças do bem e do mal, além, é claro, de buscar vingança pela sua morte. A idéia de McFarlane é rodar o filme no terceiro trimestre em menos de dois meses e lançá-lo, se possível, antes de 2007.