22 fevereiro 2007

ESSES QUE GODSLAYER DESTRUIRIA: HOLGUIN FALA SOBRE “GODSLAYER”

Abaixo trago traduzida uma entrevista de Brian Holguin, roteirista da revista Spawn antes de David Hine, que agora está à frente de “Spawn: Godslayer”, a nova série mensal que dá seqüência ao especial homônimo. Aqui ele fala um pouco sobre como vai ser a revista, o que os fãs podem esperar da história e como foi trabalhar junto com Philip Tan que, junto com Hine, ajudou reerguer o nome de Spawn no meio dos quadrinhos. A entrevista foi concedida à Dave Richards, do site especializado em quadrinhos Comic Book Resources em 08/02 deste ano.

________________________


Por Dave Richards, Staff Writer
Tradução: Leo Violador


No mundo de Ur, uma hoste de deuses rivaliza-se pelo controle e atenção dos mortais. Estes seres poderosos vêem os humanos como ingênuos e estão abaixo deles. Os mortais são ensinados, educados, e às vezes até mesmo castigados. Os deuses acreditavam que os mortais eram na maior parte inofensivos - quer dizer, até que Godslayer apareceu e começou um massacre sangrento através das divindades de Ur.


Esta é a premissa de “Spawn: Godslayer”, uma nova série mensal da Image Comics escrita por Brian Holguin e desenhada por Phillip Tan. O CBR News conversou com Holguin sobre a série que é um reimaginação do personagem Spawn colocado em um mundo épico de fantasia sem Céu e Inferno; onde ao invés disso uma miríade de divindades tem força sobre os reinos dos homens.

A série “Spawn: Godslayer” é a continuação do one shot “Godslayer” que chegou nas lojas ano passado. Os leitores não precisam ter lido este especial para ler e desfrutar a nova série quando chegar nesta primavera. “Está para ser lançado em maio. Na realidade, se tudo der certo, o primeiro número estará disponível para o Free Comic Book 2007”, Holguin contou para o CBR News. “Nós queremos ter certeza de que o leitor se sinta familiarizado. Embora seja uma continuação da história contada no one shot, tudo o que você precisa saber pode aprender no número um da série mensal”.

Os leitores que apanharem “Godslayer” pela primeira vez podem esperar uma história de aventura que combina elementos fantásticos, assustadores e humanos. “Eu acho que chamaria isto de fantasia negra ou fantasia épica, com uma definida sombra de horror lançada ali. Não é uma história de ‘busca’ da mesma maneira que ‘O Senhor dos Anéis’ é, mas acontece num cenário muito grande”, Holguin explicou. “Mas a seu coração, espero que seja uma história muito humana, sobre pesar e redenção. E é sobre a relação entre o mortal e o eterno. O que faz os deuses para relacionar-se com seus seguidores e vice-versa? E deuses são, pela sua natureza, tiranos mesmo se eles forem tiranos beneficentes? Há tal coisa como a verdadeira imortalidade, ou todas as coisas eventualmente passam, até mesmo deuses?”

O mundo de Ur em “Godslayer” é um ambiente dinâmico e detalhado que foi exercitado meticulosamente. “Ur é um mundo muito antigo e um pouco maior que nossa Terra”, disse Holguin. “Tudo é mostrado com várias fendas – os oceanos são mais largos, as montanhas mais altas, o tempo mais extremo. A cosmologia é diferente – havia um esforço consciente para trabalhar a astrologia, constelações e padrões das várias luas, etc. Nós realmente estamos tentando adquirir um senso de um mundo vital e vigoroso. O one shot focalizou um reino, Endra-La, que era de nível de riqueza e civilização quase a ponto da decadência. Na série mensal, nós vemos muitas terras diferentes, reinos e culturas, ma pastoral, outra brutal, algumas simplesmente estrangeiras e bizarras. Mas nós estamos tendo certeza de que é sentido como um mundo só, que culturas diferente influenciam um ao outro, da maneira que 300 anos atrás você podia encontrar tapetes persas, chá chinês e tabaco americano em um solar irlandês. Cultura, arte e tecnologia dispersam-se, misturam-se e influenciam terras vizinhas.”

“Há uma vasta variedade de idéias e influências que vão fazer parte deste mundo”, continua Holguin. “De Joseph Campbell e William Blake à Jack Kirby e Walt Simonson, de Hal Foster para Miyazki, Michael Moorcock à Roger Dean – e assim vai.”

A missão de Godslayer o leva por toda parte de Ur no número 1, que acontece logo após o one shot do ano passado. “Godslayer está em uma viagem de volta à sua terra que nós revelamos pela primeira vez no número um”, declara Holguin. “Também há uma reação imediata à morte da Deusa Llyra no one shot. Llyra era um dos deuses principais do mundo. Os outros do panteão estão começando a se preocupar, já que se ela pode ser morta, então eles podem, e começam a se tornarem mais cautelosos. Alguns se preocupam, pois precisam achar uma maneira de se protegerem; outros vêem isto como uma oportunidade de talvez manipular Godslayer em caçar uma divindade rival. Há muita conspiração e maquinações acontecendo entre os vários deuses.”

O arco de história de abertura tem Godslayer, que uma vez foi um homem chamado Bairn, lidando com alguma das desavenças pessoais do one shot e caçando outra presa divina. “O primeiro arco é intitulado ‘The Winter King’”, disse Holguin. “Trata-se no início do encontro de Bairn, ou quase encontro, com a sua amante assassinada, Neva. Isto causa nele esperança pela primeira vez de que haveria uma maneira de sair desta maldição, e ele está começando a considerar isto uma opção. Mas enquanto isso, ele é enviado no rastro de sua próxima presa, um brutal deus tirânico chamado Urshrek, o Rei de Inverno. Ele rege sobre um remoto reino montanhoso que tem um clima muito severo e onde a vida é uma luta. No one shot, nós lidamos com esta bela e benevolente deusa, e foi visto como uma tragédia quando ela é morta. Nesta história é o oposto – o Rei de Inverno é um autêntico terror e você realmente torce para o bastardo ser morto. Claro que as coisas não são totalmente tão simples quanto poderiam parecer.”

O primeiro arco de história terá Godslayer fugindo de uma gama de inimigos horríveis, poderosos e furiosos. “Eu darei um pouco de provocação: guerreiros mortos-vivos sem rosto, um gigantesco e monstruoso, lobo, uma jovem Deusa vingativa, e um Deus do Inverno canibalesco”, disse Holguin. “Isso é apenas o início.”

Seguindo o primeiro arco, “Godslayer” terá histórias de apenas um número e contos de várias partes. “Há atualmente uma estrutura específica de histórias que eu esbocei para as séries”, declarou Holguin. “Serão construídas histórias em arcos de quatro números, seguidos por duas histórias de um único número. Assim do número 1 ao 4 serão um único arco, os números 5 e 6 são histórias únicas, os números 7-10 serão o segundo arco de história principal, etc. Isto esperançosamente fará com que seja mais fácil para novos leitores saltarem a bordo e fazer com que seja conveniente colecionar em edições encadernadas”.

Os leitores do one shot “Godslayer” foram apresentados à personagem de Neva que, como Holguin mencionou, continuará tendo um papel no primeiro arco de histórias dos números mensais de “Godslayer” e subseqüentes números das séries. “Neva, ou de preferência o fantasma de Neva, é um personagem contínuo na série e, no princípio pelo menos, ela narra muito da história”, Holguin explicou. “Serão vistas muitas coisas pelos seus olhos”.

A missão do Godslayer requer bastante de vagar, mas isso não significa que não haverá outros personagens além de Bairn e Neva tendo papéis regulares nas séries. “O elenco central será Bairn, Neva e o terceiro personagem chamado Dromo, que primeiro aparece no número dois”, disse Holguin. “Também há um clã inteiro de deuses chamado de Panteão Arcadeano que faz um papel secundário no primeiro arco, mas terá um papel muito maior enquanto a série prosseguir. E também há a misteriosa ‘Coisa Na Escuridão’, a criatura infinita que tem forças sobre Godslayer”.

Holguin promete que enquanto “Godslayer” prossegue, os leitores aprenderão mais sobre a Coisa Na Escuridão, um misterioso ser Lovecraftiano que os leitores viram de relance no one shot. “A verdadeira natureza do mestre do Godslayer definitivamente será algo que nós exploraremos,” ele declarou. “Há uma certa influência Lovecraft (NT.: LOVECRAFT (Howard Philip), escritor norte-americano (Providence, 1890 - id., 1937), um dos precursores da ficção científica [Contos Sobrenaturais]) no sentido de que há coisas mais antigas que Deuses, e que algumas dessas coisas poderiam estar acordando. Eu suponho é um pouco de Lovecraft, um pouco de mitologia grega clássica e um pouco de Deuses do Caos de Moorcock.”

Os leitores de “Godslayer” também aprenderão logo que pensamentos, sentimentos e motivações guiam Bairn e como suas missões severas o afetam. “O estado de mente de Bairn é algo que vai ser discutido no primeiro número, assim eu não quero dizer muito”, explicou Holguin. “Basta dizer que muitos leitores comentaram em quão destacado e sem emoção ele parecia no one shot, o que é verdade. No número um você descobrirá por quê”.

Holguin também prometeu revelar a extensão dos poderes de Godslayer e as razões com o passar do tempo por trás de sua negra cruzada. “Ele ainda é confundindo com muitas perguntas, assim nós vamos tomar esta viagem com ele”, disse Holguin.

No especial “Godslayer”, Bairn tirou a vida da deusa Llyra que era um tipo de reimaginação de alguns dos personagens angelicais de Spawn encontrados na revista principal. Holguin deu dicas que números futuros da série podem apresentar novas aparências em rostos familiares. “Com o one shot, nós quisemos que os fãs de Spawn fossem capazes de olhar para ele e facilmente reconhecer certos elementos”, ele declarou. “Com a série nós queremos brilhar nosso próprio rastro, mas haverá certas homenagens se você olhar perto o bastante”.

No princípio, “Godslayer” talvez possa parecer como uma série mais negra, mas Holguin prometeu que a revista caracterizará uma variedade de tons. “Eu acho que é fácil topar com o ponderado ou o sem humor neste tipo de gênero e eu espero evitar isto”, ele disse. “Eu quero caminhar na linha entre o fantástico – todas as terras loucas e criaturas selvagens, etc – e o nível mais humano e emocional. Até mesmo os deuses são de certo modo simpatizantes. Eles experimentam raiva, ciúme, inveja, pesar e perda. São coisas sobre os deuses; eles encarnam nossas esperanças mais profundas, medos, dúvidas e aspirações. Desde o início do tempo das sagas, canções, óperas, etc. é contada sua história porque fazendo assim, eles estão contando nossa história no final das contas”.

“E trocando de locação em cada edição – indo de um reino muito brilhante para um lúgubre reino negro, para cidades flutuantes ou reinos submersos ou o que quer que seja – nós estamos esperando para ter bastante variedade para mantê-lo interessante”, continuou Holguin. “É um mundo grande, selvagem e nós queremos explorá-lo completamente”.

Holguin terá um parceiro enquanto ele e os leitores exploram o mundo de “Godslayer”, o artista da série Philip Tan. “Eu estou muito entusiasmado com esta revista e trabalhar com Philip foi grande. Eu nunca trabalhei com alguém tão entusiástico sobre um projeto”, declara Holguin. “Quando nós nos sentamos pela primeira vez e eu comecei a descrever o mundo e os tipos de coisas nós encontramos lá, ele apenas contribuiu com idéias, esboços e conceitos. Eu acho que ambos sentimos que esta é uma revista que melhor se adapta aos nossos talentos, nossos interesses e nossos estilos individuais”.

O título oficial da série de Holguin e Tan é “Spawn: Godslayer”, mas os leitores não têm que estar familiarizado com qualquer um dos personagens ou conceitos de “Spawn”. “Godslayer” não tem nenhuma ligação com qualquer um dos outros títulos de “Spawn”. “Eu trabalhei em muitos projetos de Spawn por vários anos e a coisa sobre ele é que é completamente seu próprio universo”, explica Holguin. “Todas as outras encarnações de Spawn – Spawn da Idade das Trevas, Spawn Samurai, Spawn da era moderna, o que quer que seja – todas elas eram parte de uma única continuidade que foi definida pelos conceitos de Céu e Inferno, e todo levando em direção a um único ponto final: a batalha final de Armagedom. Godslayer é completamente sua própria coisa. Um mundo completamente novo, uma mitologia diferente, ou séries de mitologias. Eu espero que qualquer um se que se interessar pelo gênero de fantasia épica confirmará. Vai ser uma grande aventura”.