25 março 2008

Entrevista com Cassius Medauar

Olá, pessoal! Venho hoje com uma agradável surpresa: o malebólgico editor de Spawn no Brasil, Cassius Medauar, nos concedeu esta entrevista em que abordo vários assuntos polêmicos como scans, planos para Spawn, quadrinhos e filme. Confira abaixo a entrevista:

Bom dia, Cassius. Primeiramente gostaria de parabenizar pelo excelente trabalho que vem fazendo na Pixel Media, e a primeira pergunta é justamente sobre isto: o que é preciso para que uma revista seja publicada hoje pela Pixel Media? O sucesso em revistas especializadas, opinião própria dos executivos ou o pedido dos leitores?

Cassius Medauar: Obrigado pelo elogio. Bom, tem que ter muita gente pedindo, estar liberada pra ser publicada por aí e também nós precisamos enxergar viabilidade econômica pro material. É um pouco de tudo que você colocou na sua pergunta.

Há algum tempo atrás, como você deve saber, publicávamos scans no blog. A pedido do Odair (editor de Spawn no Brasil na época) todos os scans foram retirados. Como é a relação hoje da Pixel Media em relação aos scans? Seria como a do Dan Didio (editor da DC Comics nos EUA, que já falou que não vê problema nenhum, assim como o editor da HQ Maniacs)? Uma grande parcela dos leitores atuais de HQ’s voltou a ler por causa dos scans (eu sou um), e também devido ao forte investimento da indústria cinematográfica na área de comics. E qual seria a opinião pessoal do Cassius fã de quadrinhos?

Olha, acredito que de certa maneira o scan pode ajudar um ou outro leitor a voltar a colecionar, mas a base de leitores hoje no Brasil já é tão pequena que se houver scans do que já saiu disponíveis por aí tenho certeza que menos gente ainda vai comprar as revistas nas bancas e a tendência é que o nosso mercado acabe. Mas tenho consciência que é algo impossível de se parar e que vai continuar existindo. A indústria precisará aprender a conviver com isso.

Esta pergunta já foi respondida no Orkut, mas vou fazê-la novamente apenas para ficar claro para quem não leu na comunidade oficial. Atualmente a Pixel Media possui os direitos de Spawn no Brasil, mas e quanto ao desenho animado, ele poderia ser lançado? E quanto à linha de bonecos? Não seria um mercado a ser aberto mesmo que fosse terceirizando os brinquedos e utilizando-se da publicidade da revista? (que, aliás, já possui propaganda dos brinquedos que são lançados nos EUA).

Não temos direitos nem do desenho animado nem dos bonecos, não temos experiência com esses produtos e nem teríamos como tratar eles bem por aqui. Especificamente sobre o desenho, o contrato não é negociado só com a empresa do Todd e sim com a Warner Bros. também. Já quanto aos brinquedos, já tem uma importadora trazendo eles para cá.

Cassius, depois que a Pixel Media adquiriu os direitos da Vertigo e da ABC (duas linhas mais adultas da DC Comics), os planos para lançamentos do Spawn foram alterados ou tudo continua dentro dos planos? Ao acessarmos o site oficial do Spawn, podemos notar uma grande quantidade de revistas que não foram lançadas no Brasil. A Panini (editora que detém os direitos da Marvel, Top Cow e DC no Brasil) vem lançando muitas linhas de encadernados, como por exemplo, The Darkness, Grandes Clássicos DC, entre outros. Haveria alguma chance de ocorrer algo assim com estes títulos que os fãs tanto aguardam?

Não, os planos de Spawn foram mantidos, o que faz a gente mudar ou não os planos é o aumento ou a diminuição nas vendas. Spawn: Godslayer foi bem e isso nos faz pensar em investir em outros lançamentos. Mas a revista mensal do Spawn segue apenas com venda média, por isso tomamos cuidado quando pensamos em lançar mais produtos. Estamos tentando melhorar distribuição, fazer mais publicidade pra ver se essas vendas aumentam e tenhamos mais segurança em lançar outros títulos de Spawn, inclusive em encadernados, por exemplo.

A Pixel Media continuou a numeração a partir da edição 151, mas nas últimas edições que contém algumas matérias sobre alguns personagens que andavam sumidos (Nyx, Ab e Zab), constam apenas ilustrações da nova fase. No encadernado de Armagedom, não foi lançada a edição de número 150 (o inicio da saga). Agora a pergunta: isto é uma decisão editorial ou os números antigos da revista antes da edição 151 não podem ser reproduzidos pela nova editora?

Sim, podem, mas foram decisões editoriais e comerciais. No caso das matérias, teríamos que pedir as imagens e na correria de trabalho que estamos não teríamos tempo. Já no encadernado, ele foi feito a partir de edições já publicadas por nós, pra colocar a 150 teríamos que assinar um contrato pra publicar essa edição, imprimir só ela e juntar com as outras, um trabalho que não valeria a pena.

Falando das matérias das últimas revistas, elas foram baseadas em pesquisas feitas pelo Leo Violador, velho conhecido dos fãs do Spawn no Brasil, tanto pela comunidade do Orkut quanto aqui pelo blog. Sou há muito tempo colecionador de HQ’s e é a primeira vez que vejo uma editora fazer algo deste tipo, sem ser aqueles desenhos horríveis da década de 80 a nanquim que os leitores mandavam. Como a Pixel e os editores enxergam esta parceria com os fãs, que a meu ver só vem a aumentar a qualidade da revista mensal?

A Pixel Media sempre procurou ter uma relação aberta e de confiança com os seus leitores, por isso sempre respondemos e-mails, temos sessão de cartas e o nosso site/blog (www.pixelquadrinhos.com.br) com espaço para comentários. A idéia de utilizar a ajuda de fãs ocorreu por absoluta sobrecarga de trabalho. Achei que seria interessante pegar as informações de um fã que manja muito para me ajudar a levar mais informações a outros fãs. Fizemos isso no encadernado do Constantine também.

Finalizando, desejo que 2008 seja um ano de grandes lançamentos, não só para Spawn, mas para toda a linha editorial. Já virei fã de todas as revistas, do mix Pixel Magazine, dos encadernados e edições especiais da Pixel Media e recomendo a todos.
Deixo espaço agora para você mandar uma mensagem a todos os fãs do Spawn e de bons quadrinhos e se possível adiantar alguma novidade (exclusiva) para este ano.

Bom, agradeço a oportunidade da entrevista, espero que esteja gostando do nosso trabalho. Peço que não desistam de Spawn e que apresentem o personagem e a revista a amigos e conhecidos. Apenas com boas vendas da revista e dos especiais poderemos manter e aumentar o número de títulos do Soldado do Inferno aqui no Brasil. Infelizmente não tenho nenhuma novidade fechada ainda, mas estamos negociando pra trazer mais coisas boas este ano. Abraços a todos.

Entrevista concedida a Juliano (Alt3rna)