03 maio 2008

Todd McFarlane fala sobre o futuro de Spawn

A entrevista a seguir foi concedida por Todd McFarlane ao jornalista Jonah Weiland, Produtor Executivo do site CBR e nela o artista fala sobre a nova direção da revista, o futuro do filme e do novo desenho animado.
____________________

Enquanto as pessoas observavam a palestra da Image Comics na última semana no New York Comic Con, o mundo de “Spawn” de Todd McFarlane está a ponto de ser sacudido grandiosamente. Neste outono, com a chegada do número #185, a série verá dois novos criadores assumindo o reinado do título. Agora, enquanto os nomes desses criadores ainda não foram revelados, nós sabemos de uma coisa – os dois indivíduos que conduzirão “Spawn” são membros fundadores da Image Comics. Poderia ser o retorno do próprio Todd à prancheta de desenho ou um dos fundadores talentosos que levará suas habilidades artísticas para o título? A única pista que os fãs conseguiram foi que um dos criadores a se juntar ao título não tem feito nenhum trabalho para a Image Comics em dez anos – isto faz de Jim Lee (se vocês não contarem com sua capa alternativa para a edição #150) ou Whilce Portacio possíveis candidatos.

Com tão poucos detalhes revelados durante a palestra, o CBR News telefonou para o criador de “Spawn”, Todd McFarlane, para ver que mais detalhes poderíamos arrancar dele, o que está por trás dessa decisão e o que os leitores podem esperar desta importante mudança na direção do título.

CBR: Todd, como todos nós sabemos até agora, neste outono a responsabilidade criativa em “Spawn” será conduzida por dois membros fundadores da Image. O que o levou a fazer esta grande mudança na
revista?





Todd McFarlane: Da mesma forma que eu gosto de “Spawn”, temos que admitir – como é feito com qualquer outro herói – os tempos estão mudando. Batman, Superman, Homem-Aranha, todos eles tiveram sucesso e tiveram grandes equipes criativas que sacudiram com a indústria – não que eu esteja dizendo que Spawn esteja necessariamente nesta categoria – mas para um dos personagens mais recentes, 185 edições é um registro bem grande deixado pra trás agora. Estou bem ciente de não esperar que as coisas fiquem no passado, e então temos que gritar “Ei, nós estamos aqui”, e mostrar às pessoas que nós ainda temos algumas surpresas escondidas na manga.
Certo, isto não é um julgamento, mas por que usar membros do grupo fundador da Image? Há certamente outros nomes talentosos lá fora que poderiam emprestar seus talentos para um título como “Spawn”. Por que especificamente utilizar antigos fundadores da Image?

Eu acho que a resposta óbvia para isto hoje é que o mundo é um pouco diferente do que quando eu fazia quadrinhos. Marvel e DC se puseram bastante agressivos a amarraram as pessoas debaixo de contratos, assim, em minha opinião, não há muitos caras excelentes por lá que eu possa escolhê-los. Há centenas de pessoas que chamam a si mesmo de artistas, mas se você falar sobre os de primeira linha, é o que está ficando mais e mais difícil de encontrar. Assim que um cara mostra que ele tem alguma habilidade, BAM, eles os prendem com as algemas de um contrato que não permite nem a nós nem a qualquer um trazê-los a bordo. Esses momentos divertidos que nós tínhamos com criadores saltando de companhia em companhia se foram. Mesmo coisas tolas como fazer uma capa para mim foi embora por causa daqueles contratos. Sim, eles absorveram esta diversão da equação.

Como esta idéia veio à tona?

Bem, nós temos conversado de vez em quando através dos anos sobre acrescentar um pouco de ousadia em “Spawn”, e chegamos ao ponto onde estávamos indo ao fim de uma jornada. A família de Brian Haberlin, que tem feito a arte e editado o título, cresceu e de repente todo aquele tempo que você pode se dedicar aos quadrinhos necessariamente não existe mais. Então nós usamos esta oportunidade para encontrar uma nova equipe e comecei a pensar sobre o que nós faríamos para dar o pontapé inicial nesta coisa toda, e não apenas trazer uma nova equipe criativa, mas também propor uma nova direção bastante radical para a revista que mostre para os nossos leitores que não será mais a mesma com imagens bonitas, mas estamos, literalmente, virando esta coisa de cabeça pra baixo, e dar a algo que não é visto por 180 edições.

Você mencionou Brian; ele ainda estará editando a revista?

Não.

Você tomará um papel ativo como editor?

Sim. A revista está chegando na minha casa, para meu escritório.

Este é um interessante panorama. Você, obviamente, é um cara ocupado gerenciando múltiplas companhias – como você está lidando com essas responsabilidades editoriais com tudo o que tem que fazer?

Eu tive uma boa ajuda de pessoas e tive uma jovem aqui, Jan Cassidy, que fará todo o trabalho difícil e eu farei a parte fácil. Isto nos permitirá ter um pouco mais de liberdade e me focar em ser mais ativo na revista. Quando Brian estava editando – ele realmente fez um tremendo trabalho – eu não estava no escritório, então era muito difícil ter apenas uma conversa casual sobre a revista. Eu estou esperançoso com estas mudanças, com essas pessoas bem próximas de mim, as conversas sobre histórias em quadrinhos e as idéias que saltarão bem rapidamente.

Eu entendo que anunciar quem são os dois criadores é algo que está sendo mantido para a última hora, mas você pode falar um pouco sobre os objetivos da história que preparou para o título?

O primeiro objetivo imediato é mandar uma mensagem que nós não estamos brincando. Nós verdadeiramente vamos nos deslocar numa direção diferente. O primeiro número será muito impactante para a história da lenda de Spawn porque, novamente, se fosse apenas uma nova equipe de arte chegar no meio de um arco de uma história, não faria sentido para mim. Para os leitores que têm estado aqui por um longo tempo, uma vez que pegue a página oito desta nova revista, compreenderá que nós, literalmente, estamos virando tudo aqui. Então, nós precisamos mandar esta mensagem de curto prazo rapidamente, então depois disto precisamos ficar em curso nesta direção e não parecer como – que acontece com tantos quadrinhos – se fosse ir numa direção e for apenas uma coisa temporária. Eu não estou procurando por isto também. Eu não estou procurando me sentar lá e apenas dizer que isto é um efeito de propaganda por doze números e então tudo volta ao normal. Isto não é um tipo de história de “O que aconteceria se?” (Nota do tradutor: série da Marvel contando histórias dos personagens em realidades alternativas). Isto vai mudar a dinâmica do título. Nós ainda estaremos no mesmo mundo, mas tudo, subitamente, haverá um curso diferente de circunstâncias que afetará Spawn e este mundo, e agora as reações serão diferentes e as histórias serão diferentes. Esta não será a mesma história que você leu uma ou duas vezes antes.

Isto é um reinício ou uma sacudida nas coisas um pouco mais dramática?

Mais a segunda do que a primeira. Eu não sou um fã de ignorar o passado e dizer que não existiu. Se tiver que fazer Ultimate Spawn, eu farei, embora eu ache que provavelmente deveria permanecer longe da palavra Ultimate! (risos). Esta é apenas outra história numa direção diferente. O que nós estamos fazendo é dizer “Ei, aqui está o que nós temos feito por todos estes anos, o que aconteceria se nós colocássemos este catalisador diferente no meio do enredo da história e agora mudar como todo mundo reage ao outro? Com o que se parece?”. Você deve então conseguir situações diferentes, histórias e tendências que o fará ver o humor das histórias sendo substituídos dramaticamente, o qual é um pouco lento e trabalhoso – especial e indiscutivelmente, quando eu escrevia – para mal humorado e oprimido, mas agora nós faremos uma cirurgia plástica de modo dramático.

A maioria dos editores marcaria um evento como este como um número um novo em folha como tende a ser, pelo menos temporariamente. Por que não reiniciar a numeração em “Spawn”?

Se você der uma olhada em minha história, nos quadrinhos verá que não sou fã destes tipos de truques. É muito fácil fazer. Se nós viermos com um novo número #1, então será nosso “Ultimate” Spawn, ou será uma mini-série ou algo mais. Eu acho que estou muito antiquado porque, para mim, uma revista como “Action Comics” (da DC Comics) começou em 38 e sua numeração não foi interrompida. Bem, na realidade, eu sei que tem havido paradas, inícios e mudanças na publicação, mas em minha mente são justamente 700 edições consecutivas. Eu também tenho visto que reiniciar a numeração é apenas uma pequena arrumação e quando as pessoas voltam para a revista, às vezes a revista vem com um novo número. Uma vez que você dá às pessoas uma chance de pegar o ritmo da coleção, este tipo de coisa pode acontecer. Na maioria das vezes, eu ainda me lembro em olhar em guias de preços como um fã e ser bastante simplista ao olhar pela listagem de um título e sempre prometia para mim ser aquele cara com meus próprios quadrinhos. Sim, certo, nós fizemos múltiplas capas para a edição #100 ou algo assim. Nós tivemos nossos momentos ociosos, mas de qualquer forma foram números consecutivos e você não tem que ter mestrado para ser capaz juntar este material junto.

Até quando esta nova equipe criativa assina o título?

Diferente de Marvel e DC, eu não quero forçar ninguém a trabalhar para mim. Exatamente como quando Greg Capullo esteve comigo com Brian fazendo as cores e o letrista Tom Orzechowski fazendo o seu trabalho, que esteve comigo desde o número #1. Se eles não estão felizes, eu não quero que eles trabalhem comigo. Eu não quero que um contrato seja a razão pela qual eles estão em volta.

Bem, no mínimo, quanto tempo você espera que esta equipe criativa esteja por aí? Seis edições? Um ano?

Esperançosamente um ano, mas novamente, se todo mundo estiver tendo uma boa hora, por qu não pode ser mais esticado? Eu tomo um certo sentido de orgulho pelo tempo que você chega à “Spawn” #100, a maior parte artisticamente, com a exceção dos estranhos substitutos, a maioria foi apenas Greg e eu. Então Angel Medina veio – e ele capturou um pouco de publicidade durante sua jornada o qual eu acho que foi um engano – ele terminou fazendo uma decente jornada no título. E então, na hora que chegamos à edição #150, você ainda podia contar com artistas regulares de “Spawn”. Eu tomo uma certa quantia de orgulho nisto.

Há alguns outros itens que gostaria de chegar antes de terminar por hoje. Dois anos atrás na New York Comic Con um crossover de “Batman/Spawn” foi anunciado. Você pode atualizar nossos leitores em onde este título está?

Bem, não é nosso ainda!

Sim, mas você acha que vai se materializar?

É possível.

O que o atrasa neste ponto?

Bem, nós tivemos uma vida complicada e um monte de coisas me rondando e a maneira como os dominós caíram criaram circunstâncias que a maioria das pessoas não tem consciência. Na verdade, é uma resposta complicada.

Certo. E quanto à outras mídias de Spawn. Qual as novidades para a animação “Spawn”?

Bem agora nós estamos tentando conseguir alguma decisão na animação. Há um pouco de disputa legal que deve se resolver no próximo mês, de uma maneira ou de outra.

E que fim levou a adaptação para o cinema? Eu sei que você disse algumas vezes que o próximo filme de “Spawn” seria dirigido e financiado por você.

Certo, a adaptação é uma coisa que sempre prometi que eu mesmo financiaria, mas nós temos três pessoas que estão batendo na porta, me aguardando para ir á Hollywood. Eu tenho falado com elas de vez em quando e têm me dito “Todd, deixe-me tê-lo”. Nós estamos chegando perto de, pelo menos, combinar nosso lançamento. Nosso lance é que, essencialmente, ninguém está comprando isto, eis a idéia, é como funciona. Se você disser sim, é uma luz verde para a produção. Não há desenvolvimento – se você disse sim, é a luz verde. Eu não estou vendendo para desenvolvê-lo. Agora, supondo que nós podemos manter um orçamento sob controle, deveria ser o bastante para conseguir que eles pensem seriamente em fazer isto. Ou eles podem fazer um outro filme que ninguém tenha ouvido falar com grandes nomes envolvidos abaixo de dez milhões de dólares. Vá em frente, faça isto, mas alguém vai entender.

Por que permitir que financiamentos externos ao invés de você mesmo financiar?

Bem, eu fui resistente em responder estas ligações e elas sempre viam, mas vendo o quanto eu estou ocupado com alguma outra coisa, então talvez levasse dois anos ou mais antes que eu consiga, então eu comecei a pensar que talvez fosse a melhor idéia trazer um sócio para ajudar.