08 fevereiro 2007

DAVID HINE NO NOVO VISUAL DE SPAWN, NO NOVO MUNDO E NA NOVA MISSÃO

A entrevista abaixo foi publicada originalmente no site Newsarama e para facilitar a leitura fiz o trabalho de tradução para os fãs. Abaixo David Hine fala um pouco sobre sua missão de reformular o personagem, como ele fará para trazer os fãs antigos de voltas e algumas pistas para o futuro. Se você não quiser ler spoilers, então prossiga daqui, ok?

________________________________

Por Vaneta Rogers

Abra o próximo número de Spawn e vai parecer um pouco diferente. Nem Satã está preparando o seu exército para o Armagedom. Nenhum anjo lutando contra demônios. Nem mesmo um Inferno.

Ou, como um comercial poderia dizer, este não é o Spawn de seu pai.

Não é apenas a premissa inteira atrás da mudança dos quadrinhos, mas o tato artístico e criativo também, enquanto a história se afasta do gênero super-heróico e se aproxima do horror, longe de cenas de batalha arenosas e mais perto do realismo.

Não, as velhas idéias não foram jogadas fora de repente – mas elas se resolveram. Sobre os últimos 15 números, o escritor David Hine explicou e amarrou quase toda as pontas soltas de enredo e deu dicas sobre o futuro. Na realidade, as referências constantes ao longo da história de Spawn para um Armagedom iminente se tornavam realidade – o mundo realmente terminou.

Mas um novo tomou seu lugar agora.

Por que a renovação? Se não entendeu o que incitou uma mudança, você provavelmente é bastante novo para o mundo dos quadrinhos. Quando o personagem Al Simmons foi apresentado como Spawn pela primeira vez em 1992, ele se tornou rapidamente um dos personagens de histórias em quadrinhos mais populares fora dos rótulos da DC e da Marvel. No meio dos anos noventa, as vendas das revistas do Spawn tinham subido rapidamente e em seguida o personagem foi retratado em tudo, de filmes e desenhos animados a figuras de ação e videogames.

Mas o interesse pelo personagem declinou drasticamente desde então, junto com as vendas do título. Na realidade, a revista Spawn – uma vez um título de topo de vendas –dificilmente chegava ao Top 100 dos quadrinhos. As razões poderiam ser debatidas para sempre (e aparentemente esteve em vários fóruns de mensagem). Mas uma coisa é clara – a direção que Spawn estava indo depois de seu sucesso inicial não estava funcionando mais com os leitores.

Agora que o fim do mundo aconteceu dentro do universo de Spawn e um novo tomou o seu lugar, o Newsarama conversou com Hine sobre o que leitores podem esperar do título enquanto o leva nesta nova direção e por que ele pensa que os leitores antigos de Spawn deveriam dar uma outra olhada na revista.

Newsarama: A renovação de Spawn tem obtido ultimamente muita atenção de críticos de quadrinhos. Por que você acha que isto foi tão necessário e como ocorreu?

David Hine: Quando me foi oferecido uma oportunidade em Spawn que eu tive muitas edições anteriores para ler. O que me golpeou foi quantas grandes idéias estavam nessas edições e que muitas edições individuais eram histórias soberbas. Mas havia uma falta de direção para a série. Sempre foi expresso que o Armagedom estava vindo, mas havia muitos retornos terríveis no caminho, então quando eu assumi em número 150, a intenção era amarrar todas as linhas soltas de enredo e então, de fato, chegar ao Apocalipse. Também havia uns consensos entre mim, Todd McFarlane, o editor Brian Haberlin e o artista Phil Tan que mais tarde queríamos levar a revista para uma nova direção. Menos comportamento de super-herói e mais baseado no horror.

NRAMA: “Baseado no horror” ainda é uma bela descrição geral. Além do fato que se concentra em tipo de histórias de horror, como você descreveria a revista agora para alguém que a lia e desistiu do título? O que mudou de como era?

DH:
Do número 166 em diante a revista será mais realística. Nós ainda estaremos lidando com alguns conceitos estranhos e deformados, mas a colocação e o tratamento serão mais voltados à Terra e eu quero que os personagens pareçam tão reais que os leitores possam se identificar com eles. Isso sempre é duro de fazer com anjos e demônios.

NRAMA: Sem mais anjo e demônios. Isso é uma total mudança para Spawn. Por que você acha que precisava desta nova direção?

DH: A revista tinha ficado muito complexa e tinha perdido uma direção distinta. Eu sentia que embora o enredo era brilhante, muito disto foi tão abrandado que eu acho que girou as cabeças de muitos leitores e havia uma necessidade de entregar nas coisas que estavam sendo indicadas. Ainda há algumas tramas ocultas principais que eu retornarei no futuro, mas enquanto isso nós vamos contar algumas histórias mais curtas que focalizam no desenvolvimento do personagem e conflitos mais pessoais em lugar da balança cósmica de anos recentes.

NRAMA:
E a direção para horror – você acha que esses tipos de histórias funcionam naturalmente com o personagem Spawn?

DH: Eu nunca fui um grande fã das grandes armas e aspecto de super-herói de Spawn. Para mim ele sempre funcionava melhor como um personagem misterioso e sombrio, enquanto comunicava-se com insetos e morcegos e saindo das sombras como no seu pior pesadelo. A revista e o personagem são inacreditavelmente maleáveis. Não é nenhum acidente que sua fantasia e aparência estejam constantemente mudando. Nós vamos nos concentrar nesses aspectos mais escuros de sua personalidade e contar algumas histórias que simplesmente molharão as calças dos leitores.

NRAMA:
Vamos falar sobre como você conseguiu chegar a este ponto. É um inteiro e novo universo de Spawn porque, como você disse antes, levou a série até o Armagedom. Como diabos você contou a história do Apocalipse e além em 15 números?

DH: Inicialmente nós preparamos um arco realmente longo para nos levar à Batalha Final, mas depois de alguns meses percebemos que se a história durasse cinqüenta números nós íamos estar demorando a chegar ao novo visual durante outros quatro anos, então eu assumi o desafio de arrumar a história em quinze números. O resultado foi que o ritmo empolgante da história durante o último ano fez com que os leitores ficassem como conchas chocadas pela velocidade de desenvolvimentos.

Eu acho que de fato funcionou ao nosso favor. Há alguns fãs que teriam preferido ver batalhas épicas que duram três ou quatro números, mas em geral a liberação de fogo rápido de revelações parece ter se encontrado com aprovação geral. Foi como um passeio e todo número terminava com um “O quê?" que mantinha os leitores comentando.

NRAMA: As vendas de Spawn eram, como você sabe, enormes. Mas muitas pessoas não leram Spawn por algum tempo. Você pode trazer tudo para esses leitores anteriores com a mesma velocidade com o que aconteceu como o mundo que eles conheciam terminasse?

DH: Al Simmons foi o último em uma linha de Hellspawn, guerreiros humanos que ressuscitaram e foram dados poderes sobrenaturais em troca de conduzir os demônios do Inferno na Batalha Final do Armagedom. Nosso Spawn se rebelou contra seus mestres e rejeitou a autoridade do Céu e do Inferno. Deus e Satã estiveram notavelmente ausentes no passado, mas neste arco eles estavam finalmente situados na forma de um par de crianças homicidas.

NRAMA: Então Deus e Satã estavam aqui na Terra lutando um contra o outro?

DH: Nosso objetivo era que havia um criador do cosmo, o andrógino Senhor dos Milagres que tinham dado este canto do Universo para que Deus e Satã governassem. Mas eles se tornaram obcecados com o seu feudo pessoal e estavam usando a raça humana como forragem de canhão na sua briga infinita. Para lhes ensinar humildade, a Mãe arranjou para que eles nascessem em forma de humanos, assim eles poderiam aprender o valor de vida humana.

As coisas não saíram completamente como planejado e os Gêmeos acabaram instigando o Apocalipse. Os Quatro Cavaleiros foram soltos e a raça humana inteira foi massacrada, então ressuscitaram como guerreiros na Batalha Final. Spawn, enquanto isso, sofreu uma prova de fogo para provar-se merecedor de comer da Árvore de Vida, a qual lhe deu poder divino para igualar a Deus e Satã. De fronte com uma batalha impossível contra os bilhões de demônios, anjos e humanos ressuscitados, ele destruir toda a vida humana ao invés disso. Deus e Satã, acreditando que Spawn também foi morto, estão agora continuando sua batalha em um planeta Terra sem vida.

NRAMA: Ufa! Você tinha razão antes sobre todos essas coisas cósmicas estarem ficando complicadas. Mas é relançamento agora, certo? Como o fim da Terra levou a uma nova série de Spawn?

DH:
Tudo isso foi um ardil feito por Spawn que, sob a orientação do Senhor dos Milagres, recriou a Terra e a raça humana. Tudo deveria ser como era, apenas Deus e Satã estavam permanentemente banidos e os portais para Céu e Inferno estavam lacrados, deixando a raça humana livre para encontrar seu próprio destino.

Agora nós somos feitos com materiais cósmicos e enredos futuros serão fundamentados mais na realidade, embora ainda é uma realidade muito desvirtuada.

NRAMA: Uau, David. Você escreveu sobre Céu, Inferno, os Cavaleiros do Apocalipse – você ainda teve Jesus e Judas correndo por aí também. Você fez uma pequena Bíblia de estudos para escrever tudo isso ou o quê?

DH: Sim, eu conheço minha Bíblia muito bem, mas eu fui um pouco mais fundo lendo coisas como o Arrebatamento e o Evangelho de Judas Iscariotes e outras adições mais recentes para mitologia Cristã. Eu estava interessado na teoria de que Judas era o mais verdadeiro dos seguidores de Cristo, o único discípulo que realmente entendia que Jesus tinha que morrer para dar o significado de seu ministério. Nós, entretanto, divergimos um pouco da maioria ensinamentos cristãos, fazendo de Jesus a encarnação física da Mãe do Universo. As pistas estavam lá no nome Senhor dos Milagres (NT: Man Of Miracle, no original), naturalmente. Deus e Satã são ambos os caras maus. De forma interessante, a maioria de nossos leitores Cristãos levou tudo numa boa. Eu não acho que nós tivemos uma reclamação séria de blasfêmia. Muito decepcionante.

NRAMA:
Você teve que amarrar muitas pontas soltas. A solicitação dizia que você estava “embrulhando 163 números de continuidade com um conflito final". Quão difícil isto foi?

DH: Muito duro. Eu sentia uma obrigação de amarrar tantas pontas soltas quanto possível e ainda fazer justiça ao espetáculo temeroso dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse cavalgando sobre a Terra, a destruição do Los Angeles, a Última Batalha e o aumento temporário das legiões de Hellspawn. Eu acho que nosso único erro foi apresentar vários conceitos e personagens novos a partir do número 150. Havia a legião de almas que ocupavam o subconsciente de Spawn. Essas foram as 6.000 pessoas que morreram na mesma hora como Al Simmons. Então havia o Senhor de Milagres, Zera e Thamuz. Nós estávamos explodindo com idéias e conceitos quando nós assumimos a revista, mas em retrospecto provavelmente deveríamos ter concluído o enredo velho primeiro. Foram os dezoito meses mais significativos na existência de Spawn.

NRAMA: OK, vamos falar sobre esta renovação. Agora que o Armagedom aconteceu, para onde você vai daqui pra frente com a história?

DH: Primeiramente, uma confissão. Nós brincamos com as expectativas dos leitores um pouco. De fato nós mentimos completamente. O número 163 parece ser a última edição do arco (na realidade já se lê como o último número de Spawn) e nós anunciamos isto deste jeito. Eu quis ver as reações dos leitores e foi interessante. Era meio que arriscado porque podia haver pessoas que iriam decidir que seria um fim perfeito e deixariam de comprar a revista. O qual seria um grande engano naturalmente, porque o número 164 é o real fim do arco e fica claro que está sendo conduzido para algo muito diferente. Isso é tudo que eu direi sobre número 164.

NRAMA: E o número 165?

DH: O número 165 é uma história fechada. Eu não a descreveria como um “encher lingüiça” porque isso não faria justiça a uma história que eu estou muito contente e tem arte fantástica de Lan Medina. O seu trabalho anterior inclui o vencedor do prêmio Eisner Fables e, naturalmente, sua passagem em District X na Marvel. Eu quis trabalhar novamente com Lan e este era o projeto perfeito. Houve muitos humanos ressuscitados como Hellspawn e esta é a história de uma criatura trágica que viveu no século 12 na China. Um homem grotescamente deformado que foi mantido como uma forma extravagante de entretenimento por um governador provinciano corrupto. Como Al Simmons, é feita a ele uma oferta não pode recusar e retorna para descarregar uma terrível vingança como o Spawn Mandarim.

O número 166 é o relançamento. Spawn, literalmente, destruiu a humanidade e os colocou de volta juntos, mas fica logo aparente que as coisas não estão bastante certas. No princípio são apenas pequenas coisas. O fato é que o uísque tem gosto um pouco diferente, que tudo está mais nitidamente definido. Nós estamos continuando com as perguntas levantadas pelo conceito de ficção científica de transmissão de matéria. Se você quebra um ser humano em partículas, atira-o pelo Universo e o repõe, ainda é a mesma pessoa? Enquanto a história prossegue as fendas realmente começarão a se mostrar.

NRAMA: Falemos agora sobre os personagens em Spawn. Há muito poucos leitores de quadrinhos no mundo que não conhece o nome Al Simmons. Fale-nos onde sua cabeça está agora e como você descreveria o personagem enquanto ele avança.

DH: Depois de salvar o mundo, tudo que Spawn quer fazer é voltar para sua esposa Wanda e viver sua vida na forma humana como Al Simmons. Nós veremos como isso se mostra. Qualquer o resultado não parece ser uma necessidade para Spawn neste novo mundo que ele criou. Nenhum Inferno debaixo de nós e sobre nós apenas o céu. Al Simmons teve bastante violência e conflito. Levará algo ao extremo que o deixará incentivado a voltar à briga. Assim não precisa ser um gênio para entender que algo extremo está vindo. O modo como ele enfrenta até o desespero e tenta achar um novo papel no mundo o definirá como um personagem, um que será mais acessível a leitores; alguém cuja pele nós podemos vestir.

NRAMA: Que outros personagens você pode nos contar?

DH: Sam e Twitch terão um papel principal no futuro da revista. Twitch toma a responsabilidade para si de ficar nas costas de Spawn. Seu argumento é que qualquer um que se sacrificou para salvar a raça humana inteira merece algo melhor do que morar num úmido e fedorento depósito infestado de insetos.

O Armagedom fez Sam encarar a si mesmo e ele não gostou muito do que viu. Ele é um homem que perdeu o apetite para a vida, mas não pode deixar de comer. Então a bruxa, Nyx estará retornando. A intensa relação dela com Al Simmons nunca foi solucionada completamente. Na realidade a última vez que ela viu Spawn, ele tinha a intenção de matá-la. Duro amor, sem dúvidas.

Os demônios Ab e Zab também estarão de volta. Eles estavam presos no lado errado quando o portal para o Inferno foi fechado, mas eles também não estão aborrecidos. Não é divertido pecar no inferno.

NRAMA: Você manteve alguns dos personagens antigos, contudo você diz que a revista está tomando uma direção mais realística e que há as pessoas com quem nós podemos identificar?

DH: Esta é um de minhas prioridades. Os personagens foram um pouco líricos em sua escala no passado. Nossos monstros serão mais humanos no futuro e haverá mais concentração em como personagens como o detetive Twitch Williams e Nyx reagem à situações confusas ao seu redor.

O diálogo também será mais realístico. A linguagem do arco de Armagedom às vezes foi deliberadamente grandiosa e teatral para refletir sobre a balança dos eventos. Eu vou estar usando o diálogo mais intimamente no futuro e eu acho que isso fará os personagens mais simpáticos.

NRAMA: E assim como as mudanças da revista, você também está mudando os artistas?

DH:
Phil Tan está se mudando para a nova revista do Spawn, Godslayer, e Brian Haberlin está assumindo a arte. O Phil fez um trabalho brilhante em Spawn durante os últimos dezoito meses e nós tínhamos planejado trabalhar junto na nova aparência. Então Godslayer apareceu e realmente parecia vestir o estilo de Phil. Enquanto isso, Brian estava trabalhando em alguns conceitos e Todd viu sua arte e percebeu que estava perfeito para o novo visual do Spawn, assim as coisas realmente reuniram-se muito bem para todo mundo. Brian Holguin, que escreveu Spawn por muitos anos, está a ponto de escrever Godslayer, então é um bom tempo para os fãs de Spawn. Duas revistas mensais em vez de uma.

NRAMA: Você disse uma referência de Todd ter mencionado “uma nova aparência para Spawn”. Como você descreveria isto?

DH:
Nós estamos pensando muito em termos cinematográficos como o corte e também do ponto de vista de Brian, com a moldura e o formato dos painéis. Eu gosto muito de ver painéis “widescreen” mas é claro que você também pode brincar com painéis menores e corte rápido que alcançam coisas que você só pode fazer com as mecânicas da história em quadrinhos. Mas nosso vocabulário é todo do cinema.

NRAMA: Seu “vocabulário?”

DH:
No roteiro eu falo com Brian em termos de câmeras - ângulos, iluminação e ação. Você verá como isso traduz nas amostras da arte de Brian. Eu gosto da maneira como a mudança de estilo de arte se reflete neste mundo “refeito”. Tudo está em foco mais afiado. Parece realístico, mas é uma versão inclinada de realidade.

NRAMA: Você provou em seu outro trabalho que é um fã de histórias bastante macabras. Como tem sido trabalhar numa revista que se ajusta em cheio neste gênero de horror e ver algumas dessas idéias sombrias tomarem vida na mão do artista?

DH:
Eu tive muita sorte com os artistas que eu trabalhei. Phil desenhou algumas reais cenas clássicas. Eu tenho que admitir que minhas cenas favoritas foram as mais horríveis. Havia o zumbi cantor de country que sai de sua sepultura para se vingar da esposa que o traía com a frase “Há duas coisas neste mundo que eu não suporto. Uísque aguado e uma vagabunda duas-caras”. Então houve duas cenas onde Deus e Satã, na forma dos gêmeos Kate e Jake, cometem séria violência um contra o outro. Phil também fez uma versão maravilhosa dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse que não tinha nada a ver com cavalos ou cavaleiros. Eles eram verdadeiramente horrorosos e muito além do que eu tinha imaginado. E a morte pungente de Sam pela Fome, sofrendo até a morte enquanto ele se enchia com toda a comida que ele podia segurar com suas mãos. Também grandes cenas para listar.

O visual de Lan no Spawn Mandarim é primoroso. Ele é outro artista que sempre ultrapassa minhas expectativas e eu estou muito contente com o que o Brian também está fazendo com o número 166. O horror está em um nível mais psicológico e essas primeiras páginas estão parecendo seriamente perturbadoras.

NRAMA: Então soa como se agora fosse um bom ponto de partida para os novos leitores? Com qual número alguém deve começar a ler?

DH: O número 166 é o lugar perfeito para começar, mas eu espero que os leitores adquiram a coleção do arco Armagedom também. O volume 1 já está publicado e volume 2 estará em lojas em fevereiro. Se você gosta de horror também deveria dar uma olhada nesta história solo no número 165, também saindo em fevereiro. Leia algumas páginas em sua loja de quadrinhos e eu acho que vai te segurar.

NRAMA: Seu extenso trabalho na Marvel aparte, eu sei que você é um grande partidário de quadrinhos independentes, mas muitas pessoas deixaram de pensar em Spawn como independente. Entretanto ele é, não? Em um clima onde grandes eventos parecem reger os quadrinhos no topo da lista, por que você acha que os leitores deveriam dar crédito para um título independente como este?

DH: Eu ousaria sugerir que há leitores lá fora que talvez estejam de saco cheio de imensos eventos crossovers? Há quadrinhos independentes belamente trabalhados por aí e eles não estão conseguindo atenção o bastante. Houve um tempo não tão distante quando os editoras independentes fizeram uma saudável exibição nos salões de vendas. Agora Marvel e DC estão dominando o mercado completamente.

É um assunto extenso que simplesmente está levando pessoas a comprar Spawn novamente. As pessoas deveriam estar comprando mais cópias de Fell, Elephantmen, Godland, Walking Dead, Love and Rockets, Cross Bronx e um monte de outros grandes materiais. Eu concordo que os padrões subiram na Marvel e na DC nos últimos anos, mas não é saudável ver duas editoras dar uma gravata no mercado. Eu gostaria de ver varejistas mostrando um pouco de fé em alguns títulos independentes que não são das Duas Grandes ou franquias como Star Wars. E eu acho que a responsabilidade está nos varejistas em se arriscar com os livros de selo independente. Eles podem argumentar que eles estão simplesmente suprindo a demanda, mas eu acho que é duro de acreditar que o mercado potencial seja tão estreito. Se bons títulos independentes são exibidos e comercializados corretamente, eles podem e vão vender. Certo, falei muito.

NRAMA: Espere aí. Se você for aos varejistas para comprar cópias de títulos como Spawn, você tem que lhes dar algo para continuar. Os próximos números podem ofender varejistas – e leitores – o bastante para acompanhar Spawn novamente?

DH: Nós estamos dando partida com uma história de três números chamada The Voice Hearers. Nós começamos a ver as fendas aparecerem no novo mundo de Spawn quando os inquilinos de um prédio de apartamentos começarem a enlouquecer. Um por um eles levam suas obsessões aos limites e o resultado é assassinato, suicídio e automutilação. Eu quis explorar a idéia de que a sociedade só trabalha porque todos nós regulamos nosso comportamento e se as restrições se forem, as coisas nos levarão muito depressa ao caos sangrentos.

Então haverá a história de duas partes da Hell House. Este é um fenômeno que está ficando crescentemente popular na América e está se espalhando para a Europa. Basicamente é a versão Cristã fundamentalista do Funhouse, conhecido como a Casa do Inferno ou Casa de Julgamento. Você envia as crianças para umas séries de eventos dramatizados onde os jovens são corrompidos por drogas, homossexualidade e aborto e terminam no Inferno. Ab e Zab têm certeza de que esta Casa do Inferno é extraordinariamente autêntica.

NRAMA: Isso é um curto prazo. Alguma coisa que você pode nos contar sobre planos em longo prazo?

DH: Haverá umas séries destes arcos de história mais curtas que conduzem até outro enredo épico depois de alguns anos de estrada. Eventualmente nós descobriremos muito mais sobre o personagem Mammon que tem manipulado eventos sutilmente no segundo plano e o que fez para Al Simmons ser o candidato perfeito para se tornar Spawn. Também há uma guinada principal vindo que quebrará o fórum de mensagem de Spawn em dois, mas os fãs terão que esperar alguns anos por isso.

NRAMA: Então, digamos que você tem a atenção de alguém, mas eles foram muitos “queimados” por Spawn no passado. Que coisa final você diria a eles para conseguir que dêem a ele mais uma chance?

DH: Compre Spawn ou o gato te pega!